Correr em jejum: o que você precisa saber?

correr em jejum e vantagens
6 minutos para ler

Buscar novas técnicas e estratégias para uma evolução mais rápida é algo que você, principalmente nos primeiros passos de uma atividade, quer saber e colocar em prática. Afinal, vivemos a era dos resultados rápidos. Com o passar do tempo e a evolução natural como corredor, isso vai ficando cada vez mais específico. Porém, muitas opções são radicais e até prejudiciais a longo prazo. Será que correr em jejum está entre elas? É o que vamos começar a desvendar.

Falar sobre atividade física sem se alimentar no pré-treino não é algo tão novo. Inicialmente, isso começou quase por instinto, supondo a lógica que, sem comer antes de um treino, o corpo teria que tirar energia da gordura para se exercitar.

Com o passar do tempo, a prática foi se popularizando e se aperfeiçoando em dietas e estratégias para o treino aeróbico. Esse crescimento aconteceu principalmente para quem busca a perda de gordura localizada, e não necessariamente a evolução como corredor.

Mas será que correr em jejum funciona? E o mais importante: essa prática não faz mal à saúde?

Imagine acordar, colocar seu tênis, beber um copo de água e sair para correr. Mesmo após uma noite de sono, e principalmente para quem está habituado a se alimentar com grande variedade pela manhã, isso pode ser um tremendo desafio e parecer, ao menos num primeiro momento, algo totalmente contra intuitivo.

Por isso, é essencial saber se o sacrifício, de fato, promove essa perda de gordura corporal, ou mesmo impacta ( de forma negativa ou positiva) no corredor de rua que está na busca de um melhor rendimento.

O excesso da suplementação alimentar

Antes de entrar no tema central, é muito importante destacar um péssimo hábito que vem sendo enraizado pelo corredor amador: o excesso de suplementação esportiva.

Dentre o consumo mais comum entre os corredores ao longo de um treino ou prova, destacam-se basicamente a água, isotônicos e carboidratos em gel. São itens muito importantes e que podem – e muitas vezes devem – estar presentes na rotina do corredor. Porém, há um grande exagero no consumo, com corredores bebendo água e tomando 2 sachês de gel sem nem ao menos completar 1 hora de treino.

Isso irá prejudicar ao invés de ajudar o corredor, já que o estômago terá que trabalhar um pouco mais para digerir essa alimentação. Por isso, nada de consumo de suplementos em treinos abaixo de 60-70 minutos. Nesses casos, apenas a água será suficiente.

Correr em jejum acelera a redução de gordura? 

Sim! Essa prática mobiliza mais gordura como fonte de energia.

Porém, a resposta não é tão simples…

Muitas teorias defendem que, ao não se alimentar, o corpo terá que mobilizar a gordura para a realização do exercício.

Porém, isso acontece de forma proporcional, e não absoluta. Explicando melhor: ao mesmo tempo em que a gordura será mais utilizada, já que o corpo tem escassez de outras formas de energia, isso pode reduzir a capacidade do corredor de treinar por mais tempo e com mais intensidade.

Importante frisar que estamos falando de casos onde o treino tem uma maior duração (acima de 60 minutos).

Que tipo de treinamento físico em jejum é mais indicado?

Atividades aeróbicas como corrida, ciclismo, caminhada e natação são as mais indicadas, uma vez que elas já utilizam prioritariamente a gordura como fonte de energia.

correr em jejum como fazer

Atividades em intensidades altas não são sugeridas, já que o “combustível” principal nesse caso não é a gordura, e sim o carboidrato. Com o tempo, é possível que a intensidade seja aumentada, desde que o praticante já esteja adaptado a treinar ou correr em jejum. Para quem busca perder peso e tiver facilidade em se adaptar, pode ser usada como uma boa estratégia.

Correr em jejum faz mal para à saúde?

Depende. Corredores que fazem treinos curtos, de até 60 minutos, e com intensidade controlada, não terão grandes problemas e podem até melhorar o rendimento. Acima desse tempo, porém, a condição já não é mais tão interessante, uma vez que o corpo necessita de níveis adequados de glicose para manter a atividade, o que não dá pra buscar na gordura com tanta eficiência.

Não é incomum corredores em jejum se sentirem mal estar após treinos intervalados, por exemplo. Mas não é uma relação direta, podendo acontecer ou não, dependendo do corredor. Outro caso são em dias muito quentes, onde essa condição também se agrava, já que, com a perda de certos sais minerais, apenas beber água não é suficiente.

Portanto, o ideal para correr em jejum são treinos em intensidade leve a moderada, de até 60 minutos, de preferência em ambiente controlado (como uma esteira, por exemplo), ou intervalados mais curtos, desde que o corredor faça uma adaptação gradual.

Quais os benefícios dos treinos em jejum?

Sabemos o quanto as restrições e alertas citados nessa matéria podem desmotivar à prática. Mas correr em jejum também tem seus benefícios. Separamos os 3 principais:

1. Essa prática pode treinar o organismo a ser mais eficiente em mobilizar gordura também em treinos mais extensos, melhorando o desempenho a longo prazo e em distâncias mais extensas;

2. Durante a corrida, nosso corpo produz dopamina, um hormônio responsável por aumentar o bem-estar e também… reduzir a fome! Assim, você diminui o apetite e evita aquele ataque à mesa do café da manhã logo depois de voltar do treino;

3. A corrida em jejum naturalmente é uma condição de dificuldade. Isso ajuda o corredor no desenvolvimento de maior força mental, permitindo que ele consiga superar com mais facilidade imprevistos ou grandes desafios que ocorrerem em treinos e principalmente em provas de rua.

E agora, pretende continuar, começar ou parar de correr em jejum? Tem cuidado de sua alimentação? Conhece alguma pessoa que gosta da prática? Compartilhe com a gente e confira outras matérias em nosso blog.

Você também pode gostar

2 comentários em “Correr em jejum: o que você precisa saber?

  1. Meu IMC é baixo, mas por questão de mas nova rotina e começar o dia mais disposto, vou correr 10 minutos logo após acordar todas as manhãs…
    seria melhor comer algo antes ou depois da corrida, ou talvez ambos? Ou então se seu comer antes, quanto tempo de antecedência a corrida devo comer e o que seria uma boa opção para alimentação pré e pós corrida ? Obrigado

Deixe um comentário